17.4.08

O Dudu aparou as arestas do poema q fez para mim e eu adorei tbm...

Sonhei com Iceberg (para Ju Holanda)

Eu vi um iceberg se erguendo do meio da calamidade urbana.
O frio espinha acima era uma sensação entre o preto-e-branco e o cintilante.
O verão veio cheio de asfaltos fervendo, shoppings coloridos, supermercados com ar condicionado e nenhum abalo sísmico toca o iceberg urbano.
Calores, frios, dores, calafrios pintados nos rostos da cidade soturna entornam nos nossos olhos porções de gliter prateado.
Sensibilidade à flor de azarrôs
Dama-da-noite florada em tragos
Ossos expostos em posição de entrega.
Frascos quebram-se
E no fim da esbórnia o sol esbarra nos cacos refletindo lumibrilhantes
naquele iceberg pós-moderno.
Uma gota lagrimamente faz passeio pelo seio da montanha de gelo cálido.
Saio de mim e caio de cabeça na metrópole-atropelo,
Vôo ao alcance do cume quando canso da vida
A rua asfaltada vista dos píncaros é muito mais bonita.

DuduPererê

2 comentários:

carteirodopoente disse...

olá sachet
como foi o lançamento do livro?
beijos
tadeu filippini

Anônimo disse...

adorei vê-lo aqui.teu livro é vivo, cheio de sensações verdadeiras.ler e reler faz os poemas rolarem na cama das imagens urbanas. Caos madame,caos beijos
duduperere
www.verbologue.zip.net