27.2.08

e eu grito:


Sem BLÁ,BLÁ,BLÁ
eu TE AMO!

26.2.08

Recebi do Chacal

juju,

gostei muito de seus poemas. vc é uma mqn de fabricar imagens. urbanas, pops, doloridas como aquelas fotos colorizadas por fotógrafos mambembes.
gostei muito de seus poemas. poucas vezes surreais demais. muitas vezes na medida certa. poemas escritos com a lâmina da alma, com a bilis, com o útero (que grande poema).
vou publicar aquela maravilha "para bukovski" no blog do cep com su permissono.

muito grato excelência.

bjo

ch.


Tá lá: http://cep.zip.net

**************************

Orgulho, muito orgulho !!!

By the way: este texto dedicado a Bukowski está no meu livro: Acordei num Iceberg (com previsão de lançamento Abril/2008).

In My Head - Anna Nalik

Under the weight of your wings
You are a god and whatever I want you to be
And I wonder if truly you are
Nearly as beautiful as I believe

In my head
Your voice
You've got all that I need
And this make believe will get me through
Another lonely night

Under the weight of your wings
Should ever we meet on your side of your stereo
I will pretend I know not of your thoughts
And even the way that they mirror my own

I'll take you away in the way that you take me and go where I go
In my head
Another lonely night
Fall away to the sound of my heart to your beat
Melancholy and cool, kind of bitter sweet
Love on repeat

I'm echoing all your philosophies
And as I fall away to the sound of my heart to your beat
Melancholy and cool, kind of bitter sweet
Love on repeat
I'm echoing all your philosophies

And as I...
Oh...
I don't
Wanna be fool-hearted
Baby, I'm out-numbered
in my head
I don't
I don't wanna be fool-hearted
Baby, I'm out-numbered
in my head
My head
My head
In my head
Your voice
You've got all that I need
And this make believe will get me through
Another night
Yeah, your voice
You've got all that I need
And this make believe will get me through
Another lonely night
Lonely night...

Under the weight of your wings
I make believe you are all that I'll ever need
All that I need.

20.2.08

4 meses - Para Mabio

120 dias a te amar

uma lembrança vaga do que passou
contemplar o horizonte dos teus olhos
para sempre

desejo estar envolvida em areia
quando com toalhas felpudas tu me enxugas

teus beijos macios
transformam meu corpo em cachoeira
e fazem do sal; açucar

te amar até o fim dos dias
quando as nuvens envolverem as paisagens,
quando carros enferrujados não mais rodarem pelas ruas
quando para locomoção: apenas asas

asas que tu me cedes
com teus carinhos doces,
tuas palavras verdade
e teu olhar tão manso

até o fim dos últimos 120 dias
de verão, outono, inverno
primavera

até o desabrochar e morte
das últimas flores que duram
despertares e noites
dias-lua, sol-manhãs...

tempo que pára
e dura infinitamente
quando abraçados e risonhos
celebramos
em agoras, instantes, momentos
nossa eterna primeira vez.

19.2.08

"era uma vez uma mulher que sempre via um futuro grandioso para cada homem que a tocava
um dia
ela se tocou."

Ana Cristina Desconsertada - Letícios

18.2.08

Toda mulher é um pouco Glen Close - Letícios

"toda mulher é um pouco Glen Close
e todo homem uma hora trai feito o babaca do Michael Douglas."

* não, no. i hope not!


"se eu fosse homem diriam que eu estou muito apaixonado
sendo mulher eles dizem que eu estou louca, muito louca."

"cuidado com meu amor porque ele mata.
mata, mas quem morre nessa história sou eu"

15.2.08

The One Who Loves You The Most - Brett Dennen

When the sky is falling from above you
And the wind is raging from the coast
And you want someone who truly loves you
I will be the one who loves you the most

When the masquerade and burlesque balls
Become too ordinary to boast
You complain about the parade and curtain calls
I will be the one who loves you the most
Yeah, I will be the one who loves you the most

When the women with their stolen graces
Don’t invite you to play host
To their daughters with fake faces
I will be the one who loves you the most

When all the debutantes desert you
And all the doorways are all closed
And all the harlequins have hurt you
I will be the one who loves you the most
I will be the one who loves you the most

When your suitors sneering swank beside you
And leave you hollow like a ghost
And you just want somebody to confide to
I will be the one who loves you the most
I will be the one who loves you the most

See, when you forgive your imperfections
And you’ve auctioned all your clothes
And look to see your true reflection
You will be the one who loves you the most

14.2.08

Da Carolzinha

me deixa ser seu bicho-papão.
aquele que te persegue,
te assusta e morde.
vou sair do armário;
ironizar minha existência contigo,
depois eu volto.
e, quando acordar, poderá dizer
'foi apenas um sonho'.

*link para o blog dela na lista ao lado: Carol Bru

ridículo


hoje é dia dos namorados no hemisfério norte, oceania e em outros tantos lugares.

o que essa P* de data tá fazendo na minha vida no meio desse dia difícil pacas em que me sinto vazia, com medo, triste (profundamente), atropelada, fraca, dolorida e com o coração em pedaços?
o que essa P* de data tá fazendo no meio do meu dia???

e pq essa P* de (a)MOR(te) não pode ser mais fácil?

pq de uma brincadeira idiota pode surgir quase um ponto final?
pq tudo não pode ser apenas vírgula?

pq viver se torna tão difícil numa hora dessas?
(olhares.com)

hoje
eu quero
morrer

Atropelada


essa noite eu passei por cima de mim como um trator. sublimei sentimentos.
descartei meu eu, minhas convicções - me joguei fora.


acordei vazia e frágil.


estou me sentindo o cachorro abandonado na esquina com a língua de fora pedindo carinho aos passantes.


preciso ir prá casa. preciso te ver. não posso te ver. eu quero te ver. preciso ir prá casa.

meu estômago está embrulhado. não consigo comer. eu só quero chorar quando lembro de nós. eu não posso chorar. eu choro.

não posso deixar que esse buraco se abra mais dentro de mim.


eu despejei toda a minha vida e meus sentimentos em você e sem você não sei como respirar, falar, andar. preenchi meu corpo com você e sem você nele - é tudo cratera.


existir sem você não é possível e me deixei essa noite dominar pelo medo de te perder. ouvi tudo o que você disse e sei que sua insegurança é inconsciênte assim como a minha pseudo-segurança consciente.


sonhei com caixas de fósforo. dormi nos seus braços, mas acordei atropelada.


não posso nem devo me sentir assim dominada pelo medo. de braços e pés atados. com medo de te perder, com medo de não te ter. não posso viver assim. não existo assim. sou uma mentira quando acho que você é a verdade universal.
sou uma verdade quando acho que você é mentira. sou mentira e verdade, pois existo e não.
insisto em me sentir esparramada no chão com sangue jorrando por todos os lados. esmagada. não vou reagir. não tenho forças para reagir. a simples possibilidade de viver sem você me assombra. medo. medo demais.


sou um cachorro abandonado na esquina com a língua de fora pedindo carinho aos passantes
e choro.

12.2.08

Carlos Drummond de Andrade - adoro quando ele se torna "nasty"

Sob o chuveiro amar, sabão e beijos,
ou na banheira amar, de água vestidos,
amor escorregante, foge, prende-se,
torna a fugir, água nos olhos, bocas,
dança, navegação, mergulho, chuva,
essa espuma nos ventres, a brancura
triangular do sexo -- é água, esperma,
é amor se esvaindo, ou nos tornamos fontes?


e do Alex Hamburguer (sobre o mesmo poema)

adelgaçado, dúctil, vespertino

(como as folhas da manhã).

Recebi da minha Editora e Amiga Thereza Christina Rocque da Motta

Nem tudo é desordem no caos.
A luz ainda caminha em linha reta.
As estrelas ainda nascem e morrem
e tudo se equilibra na gangorra.
Tudo é vermelho e lágrima e dor.
Extra-dry.
Os olhos secos, refluxo, maré baixa.
Um poema projetado numa tela de cinema.
Um verso, poesia.

para Juju, à espera do Iceberg.

11.2.08

without u


I´m nothing...

8.2.08

processo criativo


sem conseguir escrever
rasgo as entranhas
e tento fazer das tripas tinta
dos ossos caneta, lápis, pincel,
mas tudo é vermelho
às vezes lágrima, dor.

para mim é difícil lidar com incapacidades
com falta
sinto-me seca e porquê não dizer "dry"
como em uma lavagem sem água
o tecido dos meus versos encolheu,
perdeu o cheiro, o sabor e, por isso...
momentos passam por mim como vento
esqueço desordens e alegrias
tudo é tensão e vontade de escrever novamente
algum poema que possa ser projetado numa tela de cinema
qualquer frase que possa se dizer poesia
tecendo assim com palavras teias emaranhadas de cores
em letras que nem acredito serem minhas
depois que o "iceberg" nascer.

17:56hs - 08/02/2008

ICE, ICE, BABY

http://www.youtube.com/watch?v=f5ZbNKmIdvA


Parece engraçado, mas agora, nos últimos tempos... tudo me remete ao ACORDE NUM ICEBERG. Situações geladas passam e param diante dos meus olhos como esse filme (link acima).

Será esse o princípio do Iceberg? *rsrsrsrs

Eu Não Existo Sem Você - Tom / Vinícius

Eu sei e você sabe, já que a vida quis assim
Que nada nesse mundo levará você de mim
Eu sei e você sabe que a distância não existe
Que todo grande amor só é bem grande se for triste
Por isso, meu amor, não tenha medo de sofrer
Pois todos os caminhos me encaminham prá você
Assim como o oceano só é belo com o luar
Assim como a canção só tem razão se se cantar
Assim como uma nuvem só acontece se chover
Assim como o poeta só é grande se sofrer
Assim como viver sem ter amor não é viver
Não há você sem mim, eu não existo sem você

+ Ledusha

minha história
escrevo no punho
para viver não faço rascunho

Veleiros Brancos - Ledusha


Alheia confiro a curva bem feita dos meus pés
minhas coxas que guardam o último sol
onde se encontram

A lua acena veleiros brancos
beijando a janela escancarada

Faz muito calor por aqui
faz calor nas dunas do meu corpo
que sei, pressentes
como pressinto a delicada febre das tuas mãos

No umbigo da noite destilo vapores
lavanda e mirra para que me queiras
tanto
e temas quase nada
No teu silêncio de homem
sinto que vislumbras minhas veredas
Assim permaneço recostada
os travesseiros de pluma afagando o dorso
e te quero dessa forma inescrutável
entre o tesão e a perplexidade.

MADAME KAOS -Karla Sabah


(olhares.com)
eu sou gostosa
eu fui gostosa
eu serei
mas o futuro é agora!

não sinto mais o gosto da droga
conheço essa dor de cabeça
taca pedra na Geni

sexo sem nexo e pré-conceitos
e pré-pára-ativos
primeiro-socorros
pré-curativos

e tenho músculos sãos
sementes que brotam
não explico
é tipo assim?

me olho no espelho
eu faço a escolha
me arrisco, dou tudo
me revelo e dou mole

mas no fim da noite
quase manhã
é meu filho que olha dentro dos olhos
e pergunta: mãe?

estremeço, encareto, pago mico
e acordo:
sou gostosa
mas não é pro seu bico!
------------------------
*********************Poema feito pela Karla Sabah para o trio feminino do qual eu faço parte: MADAME Kaos junto com Bia Provasi e Marcela Gianini. Eu gostei!

Texto de Douglas Kim

O amor é o pior de todos os vícios. As drogas e o álcool levam o viciado a cometer crimes contra os outros. A primeira vítima do apaixonado é sempre ele mesmo. Enquanto o viciado pensa em assassinato, o apaixonado pensa em suicídio. Um viciado pode ser internado em uma clínica, mas para os apaixonados resta o manicômio conhecido por saudade. Esses puppets de Eros e Afrodite consideram a poesia a sua Bíblia e Vinícius de Moraes o seu Fernandinho Beira-Mar.

Lí esse texto no blog do Bortolotto, mas ele é do cara que é dono desse blog: http://pornbookclub.blogspot.com/

e é a pura verdade!