6.5.08

os letreiros estáticos piscam nomes, marcas, conceitos
da janela do ônibus; sinto faltas, ausências

[frio]

fecho os olhos
respiro saudade

lágrimas escorrem do meu peito
o gosto do seu beijo esfarela- se como o último biscoito do pacote
o sabor da sua língua faz o aproximar da nossa pele

o ônibus pula
abro os olhos
você não está aqui
a realidade está longe
e o buraco aumenta no meu peito aos sobressaltos.

2 comentários:

Anônimo disse...

juju, acho que o ice derreteu no caminho... beijos... leprê.

Naiara disse...

Já senti tudo, ainda com uma porção de lágrimas quentes e salgadas para acompanhar... e contrastar com aquele ar condicionado gelado.