23.11.06


Incomensuráveis pegadas no amor
Areia brilhante de algodão e sombras
Diamantes longínquos na efemeridade da morte
Em cada poste acende noite
Doce o calor colore dedos
Concorda sentidos
Sou o que sabe ser
Trânsito de margaridas
Chá de jasmim
Alvorecer brando entende a sorte das coisas tontas
Sobrevivem as famintas gaivotas na nuvem da tua cabeça
A respiração pára
Pés consoantes rumam em direção ao desconhecido
de fazer poemas noturnos
procurando os porquês.

Um comentário:

Maristela disse...

Lindo, mnoça! Lindo!