1.11.06

six feet under

Tenho medo de morrer atropelada
de me ver estatelada no chão,
largada no canto do lado da estrada,
no acostamento.

De ficar esquecida,
ser carcomida por vermes
e barulhos de pneu.

Sentir o cheiro de borracha queimada,
encantada no asfalto mal cuidado
cheio de buracos daas estradas nossas.

Bom seria se elas se fizessem novas,
e eu não fosse atropelada por tropeços
de seu carro engasgado
sem carburador
aquecendo enlouquecido
um coração gélido.

Tenho medo de ser
atropelada por palavras malditas
e frames distorcidos
de uma imagem esquelética
na beira da estrada.

Olhos estourados bravos,
vermelhos naquilo que não penso
não vejo,
não sinto...
estou lá,
atropelada,
estatelada,
morta
de olhos fechados
na beira da estrada.

Desejei matar meu coração essa noite.

Um comentário:

maristotelica.blogspot disse...

bela morte não acontecida da minha bela que escreve cada vez melhor.
beijosssssssss