4.5.09

Sobre imaginação e sorrisos (I)


Da série: Uma carta.

Querido Poeta,

Só agora consegui parar em casa para escrever. Na verdade para pensar - porque, por mais que tenha pensado - ou que sempre pense muito - os pensamentos ainda bóiam em minha mente naufraga.

Minha vida ficou subitamente agitada de quinta a tarde até hoje e há muito - não - tanta coisa me acontecia e em tão curto espaço de tempo.
Parece loucura, mas ontem, quando cheguei no evento, estava exausta!
Meu corpo gritava - "Pare!!! Preciso dormir! Quero minha cama, minha casa!!!" - e eu lá, puxando o limite e a minha mente não conseguia juntar mais nenhuma peça.

( Vi 2 filmes, conversei muito, uma história recém-começada acabou sem que eu soubesse o porque. Pensei, pensei, pensei. Falei muito. Trabalhei e dormi. Pouco. Muito pouco.)

Fiquei preocupada quando você disse não estar me reconhecendo, mas na verdade, aquele momento e - isso muito devido à sua presença - eu só queria sorrir. Olhar para você e sorrir. Sentir a energia do local e sorrir. Te ouvir e sorrir. - além do que, não consigo ouvir elogios - como os seus - que eu sei - são de verdade - sem ficar com as bochechas ruborizadas.

Há tanto tempo não te via e nem ouvia de você - que quando te vi lá - foi uma surpresa demais agradável. Muuuito feliz e eu só queria sorrir. Há muito tempo não sorria com tanta vontade, sabe?
Quero muito aprender a cantar. Há algum tempo penso em ter aula de canto e tenho arriscado soltar minha voz.
Achei fofo ontem você me pedindo para fazer o "dó", mas sem técnica, eu não sei da prática. Sem informação, não consigo compreender muito como é fazer um "dó". O que é isso... - mas você, mesmo dentro da minha intuição, tratou-me como se eu soubesse o que estava fazendo e na maioria das vezes, a minha espontaneidade dá essa impressão, mas na verdade - meu agir é intuitivo em demasia.

Recebi tantos sinais nesses últimos dias. Percebi tanta coisa... e por isso, talvez, não tenha conseguido escrever uma linha, aliás estou tendo uma dificuldade enorme de te escrever.
O teclado não obedece meus dedos.

Estou extremamente lisonjeada e feliz com seu convite para escrever sua orelha e na verdade, já tinha pensado em te mandar um texto que você poderia usar ou não no seu livro, mas agora com a oficialização do convite... ah! meu coração e mente em sintonia - ficarão muito gratificados em te retribuir esse "presente".

O que eu fiz pelo seu livro, não pense que faria com qualquer outro - e eu sei que por isso vc se sente especial, mas - vem cá: vc é especial! Se tornou especial e ter te conhecido me modificou de uma forma brutal - e eu te agradeço por isso, Poeta.

Quando digo, brutal, não pense em nada ruim... está sendo um brutal - bom "pacas"!!!
Não conseguia trocar tanta idéia, pertinente, com um poeta e por isso, o meu "agradeço ter te conhecido" e mais ainda "que você goste de mim enquanto também poeta e da minha fala".

- Isso se dá, pq a nossa interação, identificação é tanta...
- aliás a minha com você -
e o meu perceber sua reciprocidade -
foram imediatas
e nosso ritmo é parecido, ideias e
ideias -
também.
E por isso, estamos construindo - ou melhor - construímos o prédio que temos - se bem que - eu preferiria uma casa no meio da mata - cercada de passarinhos e cheiro de grama - mas o prédio, por hora já tá bom. Temos uma cobertura com varandas e isso já nos deixa um pouco em contato com a natureza que é o mais importante para uma boa qualidade de vida.

A única coisa, confesso, que me entristeceu - causada apenas por mim e meu atraso - foi não ter te visto falar seus poemas. Sentir seus poemas tão lindos... para que isso me desse a mesma sensação da primeira vez. O arrepio. O silêncio. O mundo parar à minha volta e o só existir meu e seu no recinto.
Deixar que seus poemas - mais uma vez e como sempre - me preenchessem e fossem colando caquinhos aqui dentro... como uma superbonder forte ou um bom analista.

A poesia de um grande e querido amigo... um irmão de alma. Um anjo de olhos negros e cabelos em caracol. Ah ! Poeta... é tanta coisa...

Uma felicidade que preenche e uma vontade de acertar sempre, mesmo quando a última coisa importante é falar, se bem que, palavras, ontem, certamente surgiram de meus olhos e o meu sorrir foi o poema mais belo que já tive a capacidade de escrever até o momento.

Agora...
estou sorrindo enquanto escrevo e assim,
te sinto perto.

Beijos,

J.

Um comentário:

pedrolago disse...

Essa coisa de dizer "no words" já está ficando clichê, portanto, "all the words".
Kisses,
Peter Lake