25.10.06

revirando gavetas

resgatei minha coleção amarelada de papel de carta
na caixa escondida no fundo das coisas

[papeis amarelados]

sempre achei que precisaria deles
sempre achei alguma coisa fosse ser escrita neles
um poema,
uma história,
um palavrão,
uma frase,
uma cor,
uma besteira qualquer...

hoje eles estão nas minhas mãos
o nariz espirra rinites empoeiradas
e eu mais uma vez na dúvida
como menina que fui
na dúvida?
"uni-duni-tê"

tento escolher a folha pra te escrever...
a que mais tem a ver...

qual será o mais apropriado pra te escrever?

menina indecisa,
mulher que não decide
cheia de dúvidas
procuro respostas...
qual papel amarelado
fará melhor moldura
para as minhas frases
desconexas?
fecho os olhos
orquídeas.



2 comentários:

Poetas Almadenses disse...

Muito bonito este poema. Como aliás todo o seu conteúdo... um perfume intenso a palavras de quem sabe escrwever com sentimento.
Chegámos até aqui através do Ricardo Ruiz que nos indicou seu endereço, o qual tomámos a liberdade de linkar lá no nosso blog... estamos tentando construir uma "ponte poética" entre Portugal e o Brasil, por isso, gostariamos que nos visitasses e nos incluisses nos teus favoritos.
Um grande abraço poético, do tamanho do Oceano Atlântico que separa nossos países, e até breve!

maristotelica.blogspot disse...

qual será o mais apropriado pra te escrever?

fecho os olhos
orquídeas.



beijos bela